Topeiras

Uma das coisas boas da internet é poder fazer parte de projetos colaborativos e ações coletivas. Mas não sei se é preguiça, descuido, falta de leitura, ou sei-lá-o-quê, que se deixamos a coisa "livre", a tendência é desandar. As pessoas fazem merda se atrapalham e nem dão o trabalho de avisar.

Aquele mapa dos mestrados em economia, volta e meia alguém esculhamba. Chegam pelo google para fazer consultas pessoais, daí salvam rotas que não tem nada a ver, mudam o título e descrição do mapa, etc. Agora mesmo tive que fazer uma limpeza, pois uma tal de Leninha fez caca por lá e deixou.

Ano passado, no pré-Ranking pós ANPEC, quando deixávamos a edição aberta a todos, sempre vinha um que fudia desarrumava tudo.

O mundo estaria bem melhor se as pessoas lessem as instruções...

Desabafei. Agora deixa eu voltar aos livros.

Rapidinhas #7

Só ontem à tarde consegui finalmente entrar em recesso pra ir estudando e me concentrando para a prova da ANPEC, que acontece daqui a 12 dias. Até fui para a biblioteca, e vou ficar morando lá até semana que vem.

Ainda não enviei os documentos (currículo, histórico, carta, essas coisas) para os Centros que escolhi. Queria mandar só depois, a depender de minha pontuação, afinal, diz a lenda que eles nem olham essas coisas. Também falta provindenciar um lugar para pousar próximo do local de prova (em Salvador). E nem sei onde coloquei o comprovante de inscrição!

Já diz o ditado, o que é do homem, o bicho não come!

Resolver outras pendências, fazer outras leituras, só em outubro, quando eu voltar.

Ah! é recesso, e não férias. Férias é pra curtir e descansar! hehehe

Keep Moving

Dias atrás Erik fez um breve comentário sobre desigualdade e a questão das oportunidades. Acabou citando Jose Ortega Y Gasset. A célebre frase do filósofo espanhol sentencia: "Eu sou eu e minha circunstância, e se não salvo a ela, não me salvo a mim"


(Nota mental: qualquer hora dessas, ler os textos que Erik indicou, pra entender mais sobre a questão levantada)

Ao ler o post, me veio à mente um trecho de Rocky Balboa, indicado por um amigo. Me identifico porque fala de garra, perseverança e resiliência:

(...) But ain't about how hard you hit... It's about how hard you can get hit, and keep moving forward (...)

Veja o vídeo de pouco mais de um minuto, legendado em português:


Ou seja: o que nos torna vencedores, não é o quão forte conseguimos bater, mas nossa capacidade de levar porrada e continuar seguindo em frente!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...